Saúde envolve comunidade para marcar a ‘Semana de Prevenção a Violência e Exploração Infantil’

 Ações acontecem nas unidades ESF Vila Real e Tofolli; em 2016, Secretaria Municipal de Saúde fez 83  notificações de casos de violência

A violência, em suas variadas formas, e a exploração sexual infantil são realidades que chocam a sociedade, mas acontecem diariamente de forma velada. Muitas vezes, o ambiente familiar que deveria proteger é cenário dos abusos. No Brasil, o 18 de maio marca o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

A data foi instituída há 17 anos pelo Ministério da Saúde para alertar sobre esse atentado à infância e cidadania. Nesta semana, serviços de saúde, assistência social e Direitos Humanos reforçam as ações diárias de prevenção e combate a este mal.

Em Marília, onde um programa de prevenção e atenção às vítimas já funciona há pelo menos dois anos, a Secretaria Municipal de Saúde registrou, no ano passado, 83 notificações, sendo 35 de abuso sexual. Em 2015 foram 42 registros. Os casos são notificados pela Vigilância Epidemiológica.

Para aumentar as denúncias e combater as ocorrências, a semana é marcada por atividades de envolvimento da comunidade. A titular da pasta, Kátia Feraz Santana, lembra que esse problema é difícil de ser combatido, já que muitas vezes o agressor está muito próximo.

“Os profissionais de saúde, pelo contato frequente com a população, são agentes importantes para detecção de violências. A notificação e também e intervenção de forma técnica, através da rede de proteção, são armas poderosas da sociedade”, destacou a secretária, Kátia Ferraz Santana.

INICIATIVAS

Este ano, as ações em Marília estão sendo realizadas por meio do Grupo Técnico de Saúde da Criança, Nasf (Núcleo de Apoio ao Programa Saúde da Família) e duas unidades do Programa ESF (Estratégia Saúde da Família).

As enfermeiras Fernanda Bigio Cavalhieri e Maria Candida Rocha Zaninotto, responsáveis técnicas pela saúde da criança na Secretaria Municipal de Saúde, explicam que o objetivo é prevenir e alertar a sociedade sobre as diversas formas de violência e exploração contra crianças, incluindo as violações de direitos que ocorrem na violência sexual, física e psicológica.

As atividades nas duas unidades de saúde têm a coordenação da psicóloga do Nasf Verde, Fernanda Sanches e a enfermeira Juliana Carvalho Bortoletto Gomes (USF Vila Real). As ações acontecem entre terça-feira (16) e sexta (19), com a distribuição de informativos, exibição de vídeos sobre o tema nas salas de espera das unidades de saúde, além de palestra para mulheres e mães no Cras (Centro de Referência da Assistência Social) do bairro Teotônio Vilela.

Haverá ainda encontro com adolescentes com idades entre 11 e 14 anos, na escola estadual Nassib Cury. “Acreditamos que a informação promove ao empoderamento da população em geral. Com essa conscientização crescente, esperamos evitar novos casos e tirar crianças e adolescentes da condição de vítimas”, destacou a psicóloga Fernanda.

Em todo Brasil, denúncias podem ser feitas por meio do “Disque 100”, disponibilizado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça. A central de atendimento é integrada com os serviços estaduais e municipais, para tomada de providências. Mais informações sobre o tema podem ser obtidas pelo site www.sdh.gov.br

Fotos: Divulgação

WhatsApp Image 2017-05-17 at 08.58.08   WhatsApp Image 2017-05-16 at 19.53.56 Palestra

 

Facebook Email